Atirar SAL por cima do ombro…

Não surpreendendo, o símbolo alquímico do sal era o mesmo que o símbolo do elemento água: a linha do horizonte dividindo a porção superior e inferior do mundo (1).
Como o próprio mar, o sal sempre foi venerado como um símbolo de purificação e renascimento.
O sal foi provavelmente o primeiro meio de preservação de alimentos como a carne e o peixe a ser descoberto.
O seu sabor é semelhante ao do sangue e do suor, sendo os dois fluidos identificados com o ventre que tudo produz.
Os tronos dos deuses tinham muitas vezes formas cúbicas resultantes da observação de que «o sal da terra» forma cristais cúbicos.
No Oriente, o símbolo tridimensional da Terra era o cubo.

O Deus bíblico insistia que todas as oferendas aos seus altares deveriam ser feitas com uma oferta de sal (Levítico 2:13) porque quase todas as culturas do Médio Oriente usavam o sal para honrar os altares e os sacrifícios.
Os Egípcios consagravam altares aspergindo-os com sal, provavelmente como um substituto do sangue que anteriormente era utilizado para esse fim.
A nossa palavra imolar vem do romano mola, o pó sagrado de sal, preparado pelas Virgens Vestais para ser espalhado sobre cada animal oferecido em sacrifício aos deuses (2).
A história bíblica da mulher de Lot como um «pilar de sal» parece vir do hebreu MHL, «sal», um nome sagrado da Rainha Mãe Terra (Malkuth), venerada por ter o mesmo valor numérico como três repetições do nome secreto de Deus — assim, possivelmente, uma antiga manifestação da Tripla Deusa (3).

Por causa das suas antigas sugestões de santidade, o sal sempre foi usado para repelir demónios e outras influências malignas.
Os altares cristãos, sinos, relicários e outros artigos religiosos eram «benzidos» com sal.
A prática comum de se trazer sal para uma casa antes da família se mudar baseia-se nas qualidades antidemoníacas do sal.
O sal dedicado no Dia de Santo Estêvão era considerado particularmente eficaz como filtro de protecção.
As pessoas comiam um pouco de sal quando havia uma ameaça de tempestade ou quando iniciavam uma viagem (4).
Atirar sal por cima do ombro é um encantamento que repele a morte.


(1) Koch, 65.
(2) Walker, W.E.M.S., 110, 666, 887.
(3)Trachtenberg, 160; Budge, A.T., 323.
(4) Miles, 311.

In The Woman’s Dictionary of Symbols and Sacred Objects
(1988) By Barbara G. Walker
Trad. Isaber Andrade / (2002) Planeta Editora

Carlos Fernandes

fb-share-icon

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.