A flor da cerejeira
Refletindo no rio
Personificada na senhora da feira
De antiguidades ao frio.
Frágil na eira
Entregam-lhe o canário
Na gaiola fechado
Liberta-o no raio
De sol aberto e partido.

A miséria é uma borboleta
E o canário canta entre ela.

fb-share-icon

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.